segunda-feira, 27 de junho de 2011

Millennium - Stieg Larsson

Pois é, já li os três! 






Stieg Larsson (15 de agosto de 1954 - 9 de novembro de 2004) foi um jornalista e escritor sueco, conhecido em todo o mundo pela sua trilogia policial Millennium.

No seu trabalho como jornalista revelou sempre preocupação com os movimentos fascistas e as questões do tráfico de pessoas e direitos humanos em geral. Nesse paraticular foi co-autor de Extremhögern, livro sobre a extrema direita no seu país e o autor da trilogia Millennium, onde fascistas, espiões russos, hackers, traficantes de mulheres, contracenam com jornalistas, polícias e justiceiros. 

Os livros de Stieg Larsson provocaram estranhos fenómenos de adição e histeria pelo mundo fora, simplesmente por uma razão: a de combinar uma narrativa em "estilo cinematográfico" com uma profundidade na abordagem dos factos, quase sempre interessantes.

Para a história do género "policial", deixou duas personagens carismáticas: Mikael Blomkvist e Lisbeth Salander.

Stieg Larsson morreu em 2004 sem ver o sucesso da sua escrita.

(Página oficial do autor: http://www.stieglarsson.com/)

terça-feira, 21 de junho de 2011

Morreu o Dr. Watson - Edward Hardwicke (1932-2011)


"Elementar, meu caro Watson". Quem não conhece esta frase?

Faleceu no passado dia 16 de Maio um dos heróis da minha infância, o actor Edward Hardwicke, o famoso Dr. Watson. Agora que penso nisto, era um herói estranho, até porque demasiado envelhecido e ponderado para uma criança.

Mais, só recentemente quando comprei os dvd's da série completa, é que reparei aterrado que Edward Hardwicke não desempenhava o papel de Dr. Watson na primeira temporada (As Aventuras de Sherlock Holmes), mas sim, o actor Edmund Burke (ainda vivo). É incrivel, eu vi os episódios, mas com o tempo o cérebro desconstruiu as imagens e colocou na minha memória o Edward Hardwicke. Coisas espantosas da vida.

Bem, mas passemos a alguma informação factual: EH era filho de Cedric Hardwicke e Helena Pickard. Apareceu pela primeira vez no cinema com 10 anos no filme A Guy Named Joe (1943) e, se não estou enganado, o seu último filme foi a adaptação de Oliver Twist de Roman Polansky. Mas, a sua fama vem sobretudo na participação da famosa série da Granada. Assim, entre 1986 e1994, EH contracenou com Jeremy Brett (que morreu logo em 1995), nas temporadas O Regresso de Sherlock Holmes, O Diário de Sherlock Holmes, As Memórias de Sherlock Holmes, bem como alguns episódios duplos como O Cão dos Baskervilles, ou O Sinal dos Quatro.

Morreu no hospital.

sábado, 18 de junho de 2011

Histórias Falsas - Gonçalo M. Tavares



1.ª edição BIS: Setembro de 2010
(o original é da Campo das Letras, 2005)



Histórias Falsas para uma tarde bem passada, ou uma noite bem dormida. Disso não tenho dúvidas.
Foi o primeiro livro que eu li de Gonçalo M. Tavares. Não me desiludiu nem surpreendeu, o que é bom, na medida em que as minhas expectativas eram altas (ou não contasse o autor com uma mão cheia de prémios).

Não será certamente o melhor livro do autor, mas foi por aqui que o comecei a ler (tivesse eu mais tempo e dinheiro!). Histórias Falsas é um livro de contos, que nos conta nove histórias falsas... mas encostadas à verdade:
  1. A história de Julieta, a santa da Baviera
  2. A história de Lianor de Mileto
  3. A história de Listo Mercatore
  4. A história de Metão, o pequeno
  5. A história dos tiranos
  6. A história Aurius Anaxos
  7. A história de Elia de Mirceia
  8. A história de Faustina, a medrosa
  9. A história de Arquitas
Mas, para se ter uma ideia da obra, nada melhor do que as palavras do autor, que aparecem logo à cabeça da colectânea de contos, com o título Breve Nota:


Escritas no mesmo período, algumas destas Histórias Falsas foram sendo no entanto publicadas em momentos muito distintos, em revistas portuguesas e numa antologia de contos (Jovens escritores para a nova Europa) publicada em italiano e húngaro.
Não são histórias do género fantástico, mas um homem - de há três mil anos - pode nelas utilizar objectos que ainda não existiam.
Quando as escrevi o que me interessava era, em primeiro lugar, exercer um ligeiro desvio do olhar em relação à linha central da história da filosofia; por outro lado, tinha curiosidade em perceber o modo como a ficção (verosímil ou nem tanto) se pode encostar suavemente a um fragmento da verdade ao ponto em que tudo se mistura e se torna uniforme.
Gonçalo M. Tavares

domingo, 5 de junho de 2011

Daniela Ruah - Kensi Blye



Daniela Sofia Korn Ruah nasceu em Boston, Massachussetts a 2 de Dezembro de 1983, filha de pais portugueses judeus. Ainda muito criança regressou com os seus pais a Portugal onde estudou e teve as suas primeiras participações na televisão (especialmente em telenovelas) e no cinema.

Actualmente Daniela Ruah é a estrela da série NCIS: Los Angeles, onde contracena com Chris O' Donnell. Muita gente prevê para ela uma carreira de enorme sucesso. Provavelmente maior do que a de Joaquim Almeida, que continua a somar e a seguir (vejam o novo Velocidade Furiosa).

Abaixo reproduzimos a entrevista com Craig Ferguson, no The Late Late Show, em 22 de Julho 2010.



video